to top

SOBRE MULHERES SEM SUPER PODERES

pantera-negra-mulheres

Duas semanas e uns textões depois, eu ainda tô enroscada em Pantera Negra. É que várias coisas mexeram comigo nessa história – e cada vez que penso sobre ela, quero falar de algo diferente.

Guid falou sobre como o figurino, tremendamente eficaz em contar a história com roupas e acessórios que também funcionam como personagens, lhe inspirou. E eu já falei sobre o que mais me impressiona nessa conversa toda: seu alcance.

Mas ainda tem muito a ser dito.

Mais do que um filme de herói, Pantera Negra é um filme de mulheres incríveis. Nenhuma delas tem poderes, mas a verdade é que elas não precisam nem da força nem da agilidade dos felinos. Elas são fundamentais por outros motivos. Por motivos maiores e mais representativos.

Entusiasta de histórias de herói e feminista, sempre tive um pouco de dificuldade de me espelhar em heroínas, algo que nunca deixou de me incomodar, ainda que jamais tenha me impedido de ser fã do gênero.

Isso tudo mudou com Pantera Negra.

Nakia (Lupita Nyong’o), Okoye (Danai Gurira), Shuri (Letitia Wright) e Ramonda (Angela Bassett) acabam carregando os grandes conflitos da história, defendendo suas posições sem nunca menosprezar o ponto que combatem. E elas se respeitam, mesmo quando divergem.

São fortes e recebem, em troca, o respeito adulto dos demais personagens. Mais do que componentes da guarda, do serviço secreto ou do departamento de tecnologia do reino, elas são conselheiras do novo Rei, que as escuta sem interromper ou repetir o que acabou de ouvir (que sonho!).

E suas intérpretes – conscientes do papel que representam – são ainda mais incríveis ao defender suas personagens. Danai Gurira diz que o fato de Wakanda ter crescido como país não colonizado permitiu que todos os seus cidadãos pudessem atingir seu potencial, sem os papéis de gênero que nos são impostos por aí.

Lupita Nyong’o é ainda mais incrível ao dizer que ver homens e mulheres vivendo seus poderes sem diminuir uns aos outros é um sopro de ar fresco. Ela ainda emenda: para mim foi um reflexo de que o sexismo é aprendido. Ver uma sociedade onde esse não é o ponto focal, onde o gênero não é o tecido com o qual a sociedade é construída e as delimitações do sexo não são opressivas, isso é muito legal. E é possível.

Que mulheres para se espelhar, num mundo de heróis, tão carente de personagens femininos que fujam do padrão donzela em perigo ou mesmo da super-heroína unilateral (tenho lá meus problemas com a Mulher Maravilha, embora entenda sua importância nesse cenário).

Que personagens maravilhosas. Que atrizes sensacionais. Que mulheres incríveis.

Que jeito de começar esse mês de março.

Marta Savi

Marta Savi

Marta gosta de escrever, mas tem dificuldade em fazer pequenos perfis de si mesma. Teoriza tudo. Odeia quartas-feiras. Se pudesse votar em 1993, teria votado no Rei. É ansiosa aqui uma quinta sim e uma quinta não, e toda sexta no ansiosa.blog.

  • Ju

    E esse texto é um raio de sol num oito de março cheio publicidade machista, campanhas desastrosas e frases de efeito miseráveis!

    9 de março de 2018 at 06:48 Responder
  • Karupin

    Hoe, Marta! Tudo bom? 🙂

    Eu pensei que seria a louca atrás de artigos de ponto de vista feminista depois de assistir a Pantera Negra, mas, após a sessão, saí numa paz de espírito que não precisava de mais nada: bem diferente da experiência que tive com Mulher Maravilha, aquele sim era o jeito que eu sempre quis ver mulheres guerreiras, sem tirar nem por. Como você bem disse, são mulheres reconhecidas, ouvidas e respeitadas, sendo que, ainda que não fossem fodas, também seriam assim tratadas na sociedade de Wakanda.

    Acho que o filme veio em boa hora para acrescentar em muitas discussões: aquele exemplo de que sim, é possível existir uma organização social na qual o sexismo não faça sentido; de que mulheres são pessoas (e personagens) tão capazes e interessantes quanto os homens; de que representatividade é importante; de que homens e mulheres negros podem ser protagonistas, heróis e benfeitores de suas próprias histórias… Tanta coisa, tanta coisa. ♥

    Ai gente, Pantera Negra é muito bom. ♥

    Beijos, flor~

    15 de março de 2018 at 01:16 Responder

Leave a Comment